Prêmio Nobel

2016

Jean-Pierre Sauvage (França)
Fraser Stoddart (Reino Unido)
Bernard Feringa (Holanda)

Pais das minúsculas"máquinas moleculares" que prefiguram os nanorobôs do futuro.

2015

Tomas Lindahl (Suécia)
Paul Modrich (EUA)
Aziz Sancar (EUA/Turquia)

Trabalhos sobre o mecanismo de reparação do DNA, que pode conduzir a novos tratamentos contra o câncer.

2014

Eric Betzig (EUA)
William Moerner (EUA)
Stefan Hell (Alemanha)

Desenvolvimento da microscopia fluorescente de alta resolução.

2013

Martin Karplus (EUA/Áustria)
Michael Levitt (EUA/Reino Unido)
Arieh Warshel (EUA/Israel)

Desenvolvimento de modelos multiescala de sistemas químicos complexos.

2012

Robert Lefkowitz (EUA)
Brian Kobilka (EUA)

Trabalhos sobre receptores que permitem às células compreender seu entorno, um avanço essencial para a indústria farmacêutica.

2011

Daniel Shechtman (Israel) (EUA)

Descoberta da existência de um novo tipo de material, os "quase-cristais".

2010

Richard Heck (EUA)
Ei-ichi Negishi (Japão)
Akira Suzuki (Japão)

Reações de acoplamento em síntese orgânica catalisadas com paládio, abrindo caminho para novos produtos eletrônicos, plásticos revolucionários e tratamentos contra o câncer.

2009

Venkatraman Ramakrishnan (EUA)
Thomas Steitz (EUA)
Ada Yonath (Israel)

Pais das minúsculas "máquinas moleculares" que prefiguram os nanorobôs do futuro.

2008

Roger Tsien (EUA)
Martin Chalfie (EUA)
Osamu Shimomura (Japão)

Pesquisas sobre as proteínas fluorescentes, cujas aplicações permitem detectar tumores cancerosos.

2007

Gerhard Ertl (EUA)

Pesquisa sobre os catalisadores utilizados em diferentes setores industriais, dos fertilizantes até os tubos de escapamento.